Foi um papo longo que tive com a Faró hoje. Falamos de objetos-lixo, de técnicas-lixo. Sob o ponto de vista do processo criativo, do produtor de imagens. Faró falou de menosprezo e desprezo. Falamos do conhecimento desprezado por força da indústria, ou por vontade própria. A opção entre a solução tecnólogica e a solução através do conhecimento, empenho pessoal. O menosprezo/preconceito como ferramenta da indústria para organizar a escalada da tecnologia. Será? O menosprezo: uma barreira na linguagem do fotógrafo. E tem a centralização. De tudo. Tem as perdas de conhecimento que sucederam o autoexposure, e hoje sucedem o avanço digital, de um dia para o outro o passado é obsoleto, vai pro lixo, e a tecnologia nem sempre cumpre suas promessas, quem perde é o fotógrafo. Pensando assim, o processo obsoleto, encontrado no lixo, pode até ser mais completo, confiável, reliable if I may.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s