Quimiogramas no Sesc Santana

A oficina foi super interessante, o espaço era de frente para a exposição de Barros. Pensei muito sobre os quimiogramas, uma maneira bacana de mostrar a fotografia analógica sem a necessidade de um quarto-escuro.

O fato é que as imagens fotográficas se fazem, em geral, pelos contrastes. Não existe cinza se não houver preto e branco, o olho precisa de diferenças para enxergar formas, limites, blá, blá, blá.

No quimiograma o papel começa completamente velado. Não há contraste, há uma exposição total, se for revelado o papel fica preto, se for apenas fixado o papel fica branco. Para criar meios tons há um jogo complexo de brincar com a diluição dos químicos e com o tempo durante o qual o papel fica exposto a eles (em contato). Objetos junto ao papel podem mudar o efeito do químico. A diluição pode ocorrer durante a formação da imagem.

Ou seja, no quimiograma a revelação deve introduzir o contraste na imagem, ao contrário da fotografia convencional, onde se pretende uma revelação mais uniforme que deixa transparecer os contrastes registrados na película.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s