Arquivo da tag: imigração

Fotógrafo imigrante

Tenho cozinhado algumas idéias junto com esse post ao longo dos últimos 3 anos, que é o tempo que estou cá em Portugal. Tenho vontade de discutir um quase hiato, uma quase pausa que eu percebo na minha produção. Definitivamente é uma mudança de ritmo e de foco, mas é muito difícil separar o que é uma mudança de fase com o que é resultado da mudança de país.

Uma coisa já estava anunciada antes de pensar em mudar para cá. Em 2017, quando eu passei 8 meses treinando consertar câmaras e objetivas com o Celso, muito mudou no jeito como eu encaro o inventário do fotógrafo (usando a definição de inventário do bricoleur de Levi-Strauss). Acabei me tornando mais seletivo nos equipamentos e materiais e comecei a desapegar de coisas que eu não via possibilidade imediata de usar. Ao longo dos 2 anos seguintes eu diminui muito meu inventário e depois com as Frofas e os bazares da despedida fiquei ainda mais leve. Algumas coisas me acompanharam, mas ainda assim eu aos poucos fui descobrindo que elas também não me servirão tão cedo, já participei de algumas feiras por aqui para tentar vender esses paranauês (e essa foto prova isso).

Já outras coisas tem relação direta com a mudança de país. Em Sampa, ainda tinha o laboratório ali em casa e fiz muitas cópias de trabalhos que estavam “atrasados” nos últimos tempos. E também tinha convertido a primeira inkjet para carbono, o que gerou mais um tanto de novas cópias antes de vir, quase um ritual de despedida. Não consegui trazer o laboratório, impressora e scanners junto comigo. É um tanto complexo planejar todos os detalhes toda a vez que quero fazer algo que eu fazia antes no ateliê, mas que agora simplesmente não depende apenas da vontade.

Fui tentando resolver essas coisas no tempo que me sobrava aqui fora do trabalho (um luxo durante a pandemia). Logo que cheguei, achei uma impressora para converter e ela vem sendo usada, mas num ritmo mais lento, é verdade. Depois construí uma caixa para reproduzir negativos e isso amenizou a falta dos scanners. Depois consegui comprar a Linhof Technika e fazer umas fotografias que já estavam imaginadas na minha mente (ah! a delícia de fotografar em filme raio-x). Ainda restam outras a fazer. Adaptei os cantos das garagens por onde passei para servirem de oficinas. Essa parte de recomeçar parecia que seria cansativa, me preparei para isso, mas foi cheia de oportunidades de fazer as coisas de um jeito diferente, numa nova velocidade (antecedência em planejar e tempo para refletir).

Quando não conseguia me dedicar ao fazer, me dediquei a escrever coisas diversas. Artigos para Emulsive, para PetaPixel, etc. Finalizei o texto do livro. Me dediquei a posts mais longos aqui no blog, escrevi até sobre coisas que vão um pouco além do que eu normalmente me arriscaria a falar em público (estou envelhecendo e a foto acima prova isso também). Bom, não falta muito para esse blog completar 20 anos, o primeiro post foi em 16 de junho de 2005, temos o que agora? Uns 17 anos e meio? Foi bom repensar todo um percurso até aqui e tirar essas coisas todas da mente e deixar gravadas no papel ou na nuvem, um processo que dá origem a outros questionamentos (que dádiva!).

Vou continuar usando o tempo que sobra para agitar uns processos e uns equipamentos reaproveitados por aqui. Vai persistir a dúvida sobre o que é uma mudança de fase e sobre o que é resultado da mudança de país. Muita gente usa a comparação com o equilibrista de pratos para falar da vida, em que cada prato é um aspecto da nossa existência e que nossa atenção acaba sendo divida entre essas coisas ao longo do tempo para evitar que um aspecto especificamente fique para trás. O último post assim eu também terminei com outras perguntas e com promessas a mim mesmo. Curioso não ter certas respostas.

Três perguntas para Erick Ferrufino sobre montanhas

Você cresceu em La Paz no altiplano andino, com uma linda vista do Illimani, como isso influenciou a sua fotografia?

EF: Hasta mis 35 años siempre viví rodeados de montañas, nací en la ciudad de Potosí (Bolivia) o antiguamente llamada “Villa Imperial de Carlos V”, ubicada al Sur de Bolivia, fue una de las ciudades más importantes en la época de la Colonia Española, al pie del cerro imponente que se llama “Sumaj Orck’o” en dialecto quechua, que quiere decir “Buen Cerro o Cerro Rico”, que fue explotada desde la colonia hasta la época actual, por su riqueza mineral que lleva en su seno.

Mi primera migración fue a La Paz, que es la sede de gobierno y es un complejo entretejido de edificios y construcciones en el altiplano y las laderas, rodeada de montañas, yo la encuentro a esta ciudad con una mística de tres tiempos, arquitectónicamente y socialmente hablando, donde sobre sale el Illimani, que es una inspiración para artistas visuales, poetas, escritores, fotógrafos y músicos.

La región de los Andes se caracteriza por la altura, el frio y su paisaje monótono, uno puede sentir que está más cerca del cielo, algo tan simple como caminar, puede ser un desafío para aquellos que no están acostumbrados a la altura. Confieso que tengo conexión con las montañas, porque en ellas siento una paz y puedo meditar bajo el silencio que se tiene, disfrutando de esta sensación, que me ha permitido visualizar por medio de mi mirada, a las montañas nevadas, su arte, pinturas y su arquitectura, sus museos, numismática, los paisajes áridos, los rostros indígenas, calles estrechas y empedradas, el cual disfrute cada día de este entorno visual.

A descoberta do analógico ocorre junto com a mudança para São Paulo, o que te atrai nessa paisagem tão diferente? O que é familiar aqui? Nesses 3 anos investigando a fotografia analógica, você já descobriu o te agrada nela?

EF: Ahora me encuentro en Sao Paulo; es totalmente distinta de dónde vengo, pero al ser distinta se vuelve muy atrayente, es compleja y diversa, teniendo una mayor conexión con las personas, encontrando de esta forma una nueva mirada, aquí pudo trabajar con fotografía analógica (bueno antes solo llamada fotografía), este redescubrimiento se adecuo mejor a mi ritmo de trabajo, conociendo a personajes que podría estar escuchando todo el día, contándome sobre este proceso o sus anécdotas.

En este momento me quiero centra en dos series fotográficas, “Migrantes Bolivianos” y una que todavía no termino de cerrar la idea, pero sería llamada “La buena onda Sao Paulo” espero que en un tiempo más pueda culminar estas series y poder compartir con ustedes.