Arquivo da tag: Campus Party

Point-and-Shoot 5×7″ • imagens

Alguns exemplos de imagens com a 5×7″ nova com uma 90mm de foco fixo:

cp57_01w

Levou uns 20 minutos em f/32 para expor essa no Campus Party, uma visão da área das barracas, onde a galera dormiu no CP.

op57_01w

Era de manhãzinha e o Sol lambia as pontas dessas bromélias (?). Deixei o Sol invadir o canto do quadro, para ver o que ele virava, virou um triângulo branco interessante. A casa e as jaboticabeiras fazem o fundo. Com Sol, tudo mais fácil, levou uns 20 segundos em f/45 para “capturar” essa.

op57_02w

O negativo mostra a imagem bem retinha, mas o scanner (um Agfa Duoscan) não pressiona o filme contra o vidro, de modo que fica assim, tudo meio arredondado, o filme secou pendurado. Essa foto é do lado de dentro de janelas como as que vemos acima.

Campus Party • Metaboteco

CP em clima de despedida. Hoje é meu último dia aqui. Vou dar uma demonstração de como funciona o scanner para fotografar e está encerrada minha participação.

cpend01

O MetaBar de terça ontem foi substituído pelo MetaBoteco.

cpend02

O clima era tenso, rolou até pancadaria aqui ontem.

cpend03

Muita gente de mala feita essa manhã, muitas barracas já foram embora.

Campus Party • pensando no Flusser

Hoje foi uma dia curto para mim no CP. Aqui continua a oficina tocada pelo Glerm, Bits e Volts na Unha, na foto abaixo. Mas nada mais é muito assim aqui.

cp004

Ganhei um livro que o 2F editou com a história da Metareciclagem, o Mutirão da Gambiarra. O Mutirão da Gambiarra é um esforço colaborativo para promover a coleta, organização e análise da documentação gerada pela rede MetaReciclagem. O livro é uma apostila de 115 páginas, impressa em xerox ou laser gráfico, nada demais, o que conta ali é a história, que está impressa agora, e os textos que são imperdíveis. Alguns só estão na íntegra na web, como esse do Hernani, que dá uma idéia do que foi o projeto Metá:Fora e quais braços ele lançou por ai. Lá pelas tantas, 2F reproduz um texto do Sergio Rosa pinçado do Overmundo, sensacional, boas perguntas, boas respostas.

A parte mais interessante até agora, do CP, é essa constatação de algumas coisas que Flusser colocou sobre o aparelho (pelo menos para mim, nas entrelinhas). Quando Flusser separa os operadores de aparelhos entre Funcionários e Fotógrafos, pensando na câmara fotográfica, e estabelece o quão escura a caixa preta pode ser para um ou para outro como a diferença que os separa em suas diferentes categorias ele me parece tocar numa questão muito importante. Aqui vieram pessoas que consideram o computador quase transparente, eles só vêem quem está no chat do lado de lá ou o soldado palestino que está tentando matá-lo em um game. E outras pessoas que fazem questão de torná-lo transparente com acrílico ao invés de metal, o que pode tornar o computador ainda mais escuro e desconhecido apesar de suas cores vivas. Por outro lado o pessoal do desenvolvimento parece conhecer a fundo os meandros das máquinas. Alguns se perdem em seu caminho exigindo que o mundo inteiro avance em tandem com a tecnologia, desculpa, isso é inviável! Cada um de nós tem as suas prioridades. Funcionários e operadores avançados vêem nos aparelhos soluções para problemas diferentes.

Essa “forçação de barra” dos desenvolvedores não é diferente da dos que defendem a inclusão digital irrestrita. Para muita gente blog, orkut, youtube simplesmente não querem dizer nada, nem nunca vão querer, é mais razoável e humano deixar as pessoas viverem as suas vidas. Mas isso é só a minha opinião

E pensando na bola que Flusser já tinha cantado, sobre a intenção do aparelho, que é intenção programada nele pelo seu fabricante: o aparelho indústria, chego a uma conclusão que essa “forçação de barra” é exatamente o resultado do que Flusse colocou como o aparelho tentando programar o seu funcionário para melhorado infinitamente.

Nada é definitivo aqui, são só versões, 1.0, 2.0, 3.0, e esse encontro serve para gerar a necessidade da 4.0.

Campus Party • Metaboteco

Lá pelas tantas ontem rolou um papo sobre como deve ter sido o primeiro CP que de fato foi no campo, um acampamento, um sítio, lá na Espanha. O pessoal que tava ali reclamou que o encontro acaba sendo muito careta e muito podado da maneira como é feito. Eu brinquei: essa é a hora em que alguém fala: eu tenho um sítio no Sul de Minas… As pessoas se entreolharam, mas houve silêncio.

O fato é que acabamos a noite, um grupo da galera do Metarec, sentados na calçada do lado de fora, curtindo uma cerveja (que é proibida aqui dentro). Blergh!

cp003

Mas ontem não foi só isso, foi um dia de falar um pouco de Flusser, de imagens para as quais são criados contextos falsos e se realmente há essa necessidade pela inclusão digital.

Campus Party • acampado

Primeira manhã do CP. Acordei e fiz essa foto da minha “varanda”. Sai para andar, tomar café, muita gente com a sua digital, fazendo stream de vídeo com o celular, muita gente produzindo conteúdo. E tem gente que traz conteúdo pronto, para mostrar: robôs, computadores, imagens, textos, seja lá o que for.

cp002

São 10h da manhã e tem palestra que já acabou. A programação é intensa.

Campus Party • programação

Terça 15h – Mesa Bits e Volts na Unha

Quarta 17h – Como fazer Boas Fotos com uma Camara Tosca

Sexta 15h – Demonstração Refotografia com Scanner

cp001

Uma fotinho da bancada onde me instalei no CP junto ao pessoal do Metareciclagem. Um evento diferente onde as pessoas trazem seus aparelhos para conviverem juntos. O Vilém com certeza ia se divertir bastante criticando tudo isso. Eu queria muito saber se sou o único que trouxe câmara de filme para cá.

Campus Party • preparação

Separando imagens de sucata e lixo para levar numa apresentação do Campus Party.

ecp008w

A idéia é criar um workflow de equipamento obsoleto para gerar essas imagens. Digitalizei fotos em papel e negativo, juntei com outras digitais, transformei tudo em PB imprimindo em filme TMax 100 vencido pelo Palette. Agora vou ampliar em papel PB dos anos 70.

ecp001w

Aproveitando isso estou fazendo alguns testes para calibrar o Palette de uma maneira externa, já que o calibrador dele se foi. Para isso estou reduzindo a quantidade de preto nas imagens, usando o comando Curves do Photoshop. Estou imprimindo as imagens duas vezes, tentando achar o ponto ideal para essa redução. O input 0 (zero) está virando output 30 e 60. Os negativos que tiverem os melhores detalhes de sombra revelarão a melhor maneira de usar o Palette.

ecp003w