Arquivo da tag: Pluracidades

Escaneando as nuvens

Nas saídas recentes para o Tatuapé peguei um dia com muito vento e nuvens que se moviam bem rápido. Aproveitei a oportunidade para tentar algo diferente, escanear as nuvens. Usando a configuração de dpis consegui alongar o scan suficiente para registrar esse movimento.

Anúncios

Londrina • Exposição

Algumas imagens da exposição Cidade, Mundo Plástico do curador Danillo Villa.

20140416-165707.jpg

20140416-165732.jpg

20140416-165803.jpg

Pluracidades embaladas

Embalei toda a exposição que vai comigo para o Rio e fiz uma alça para carregar no caminho até lá. A Dani fez essa foto enquanto eu experimentava o peso no meu ombro.

No chão, é um encerado que eu ganhei de um amigo, modelo 86, único dono, 4 por 6 metros, tinha mofo até. Foi fundo de fotografias nos anos 80, cobriu churrasqueira nos 90 e agora dá a volta por cima. Lavei com sabão na garagem do prédio, enfregando com vassoura os dois lados. Desinfetante e mais. Tá cheiroso!

Clube de Colecionadores de Fotografia do MAM, edição 2008

Pluracidades

Fui convidado para participar do Clube de Colecionadores de Fotografia do MAM, edição 2008 com a imagem acima. No site do museu há uma boa explicação do que isso quer dizer, siga os links para Participe do MAM e depois Seja Colecionador.

Leituras de Portfolio

Fui levar Pluracidades para as leituras de portfolio no Forum. Vinte minutos é pouco tempo para uma conversa profunda, às vezes o que vale é ter o trabalho visto por alguém novo, não necessariamente ouvir opiniões formadas rapidamente. Mas o fato é que alguma pessoas gostam do risco de falar sobre um trabalho que nunca viram para alguém que não conhecem em 20 minutos. O resultado deles assumirem esse risco é quase sempre bom, mas quem ouve deve saber separar idéias muito distantes de outras mais pertinentes, e tentar aproveitar isso ao máximo. Em Houston em 2000, no primeiro dia do FotoFest, vi o inglês Mark Sealy por uma fotógrafa argentina a chorar em 20 minutos. Minha leitura era a próxima na fila dele, fui esperando toda a maldade do mundo. No fim das contas, Mark é um cara sincero e não esconde o que pensa, ele falou coisas em tom muito ríspido comigo, coisas sérias, as mesas ao lado pararam seus trabalhos esperando ver outra pessoa chorar e foi por pouco, mas descobri que ali (na fala dele) tinha um desejo enorme de ver meu trabalho desabrochar. Segui fotografando.