Arquivo da tag: bricolagem

Fole DIY

Só uma última consideração sobre os materiais do fole: a idéia de usar o plástico preto da embalagem de papel fotográfico (Daniel Mitchell) foi ótima. Eu tinha dois sacos pretos de papel tamanho 50x60cm, um mais fininho, um mais grosso, usei o mais grosso (de um papel Ilford importado). Além disso usei um papel Colorplus preto pesado como estrutura do fole (tamanho A2, adquirido na Papelaria Universitária, R$5,60) e mais o tecido (forro 55% poliéster 45% algodão, R$7,20 por 1 metro que rendeu dois foles).

O próprio Mitchell fala em colocar tecido em ambos os lados do plástico para dar um ar mais profissional ao fole, eu não fiz isso. Porque? Porque todos esses materiais já eram coisa demais para o fole de uma câmara field (que tem menos espaço para o fole quando ela fica fechada). O tecido ficou virado para dentro, dando o acabamento fosco que o fole necessita. O plástico para fora.

Existem tecidos especiais para isso a venda em lojas no exterior e existem foles a venda para essa câmara no eBay, não era o caso, mas talvez essas soluções fossem mais indicadas para um caso tão específico.

Além disso, teoricamente o plástico não deve aguentar por tanto tempo quanto um tecido especial, vamos ver quantas fotos consigo fazer antes dos cantos do fole começarem a rasgar pela fatiga do material.

Fole DIY

Para começar refiz todas as medições do fole antigo e rasgado. Isso foi ainda mais difícil, porque é complicado esticar um fole rasgado ainda mais para medi-lo, mas enfim…

Ficaram assim as estruturas de papel novas. Depois disso, ainda usando a cola 77 da 3M colei isso ao tecido preto.

Imediatamente após a colagem, já refilei o tecido, deixando poucos centímetros para o fechamento do fole e só. Isso já foi um aprendizado da primeira tentativa, quando o excesso de tecido complicou o fechamento do fole depois.

Portanto, com o tecido refilado, fechei essa parte do fole (tecido e papel) e só com essa parte fechado é que comecei a colar o plástico na parte exterior.

Terminada a colagem do plástico pela parte externa, após refilar o plástico, o fole ficou assim:

Ai só faltava dobrar. Como bem escreveu um figura que fez um site que me serviu de referência nessa empreitada, não há como descrever a operação de dobrar um fole.

Menos problemas dessa vez, o fole não ficou perfeito, mas suas dimensões estão bem mais próximas e dentro do que é possível de usar nessa câmara. Agora o fole está na prensa, dando uma assentada. O próximo passo é cola-lo na câmara e ver o que acontece. Já já chegamos lá…

Fole DIY

Ganhei de um amigo o esqueleto de uma Toyo Field 4 3/4 x 6 1/2″ (que é um tamanho de filme que caiu em desudo).

A câmara veio com fole, mas o fole estava virando pó então separei os dois para evitar de sujar demais os mecanismos da câmara que estavam muito bons ainda. Veio também um back para filme 4×5″, mas minha idéia agora é fazer um back 5×7″ depois que eu terminar o fole.

O primeiro passo foi pesquisar na web onde encontrei alguns artigos sobre como fazer foles para câmaras, dentre eles os dois mais interessantes foram o do Doug Bardell e o do Daniel Mitchell. Dai estudei o fole antigo e tirei suas medidas (posteriormente descobri que cometi um erro nessa etapa).

O erro cometido tem a ver com o fato de achar que o fole era quadrado, ele não é, é ligeiramente retangular. Vacilo. Mas fui adiante sem saber e preparei a estrutura do fole como manda o artigo de Bardell.

Depois passei à montagem usando a cola 77 em spray da 3M segundo a dica de Mitchell e reutilizei um saco plástico preto de um envelope de papel fotográfico segundo uma outra dica dele também, que torna o fole bem mais barato, por sinal.

E depois coloquei o fole na prensa, para ver se ele pode ser comprimido o suficiente para ficar dentro da câmara. Isso funcionou.

Depois de umas horas na prensa, uma boa olhada no fole revela que ele não ficou quadrado na parte dianteira, fruto do erro no momento da medição do fole antigo. Uma das dias dos sites visitados era de providenciar material para mais de um fole, pensando que isso é algo comum de acontecer, ainda bem que segui essa dica, semana que vem dou notícias da próxima tentativa.

Mac Mini • resgate

Para processar imagens ganhei um Mac Mini avariado. O computador não consegui reconhecer o HD dentro dele e a ventoinha estava disparada, a toda potência mesmo com o computador desligado e apenas ligado na rede elétrica, estranho.

Pesquisas e pesquisas apontaram para uma morte eminente da placa-mãe, mas porque não aproveitar o computador enquanto isso não acontece? Para tanto fui ao centro e descolei uma gaveta (ou case) para colocar o HD do lado de fora do computador, onde o problema de ser reconhecido não acontecia nos meus testes. E para sanar o “volume” da ventoinha descolei um potenciômetro de fio, de 100 ohms.

O bicho ficou assim, adeus belo design by Apple. Tentei não fugir demais dos materiais do computador e usei uns pedaço de acrílico, para aproveitar a saída de ar da ventoinha e colocar o HD bem na frente. O pino maior é onde agora se controla a potência da dita ventoinha.

 

mini

Com um serrote

Hoje terminei uma nova engenhoca. Uma mistura de câmara 3×4 com um back 4×5″ para filme em chapa.

CRW_0192

São seis lentes que disparam de uma só vez. Mas a câmara pode ser rearmada indefinidamente, ou seja, basta tampar uma ou mais lentes na hora da foto para deixar aquela área do filme intocada, depois destampar essas e tampar outras que já foram expostas. Enfim, dá para inventar um modo Lomo Action bem lento para a câmara 3×4.

O foco é fixo e fica a mais ou menos 1 metro. O diafragma vai de f/8 a f/22, chique! Há provisão para flash (PC e Hot Shoe): uau!

CRW_0190

Teste? Ainda não, mas em breve.

A câmara veio com um back Polaroid instalado, foi só desaparafusá-lo e recortar tanto a câmara tanto o novo back com um serrote para que os dois encaixassem. Funcionou. A boa e velha cola quente deu um jeito. Por cima dela colei pedacinhos de GatorFoam preto para dar um toque gambiarra na câmara e garantir que a luz ficará fora e o escuro dentro.

Descobri que a alavanca de armar o obturador por ser usada em conjunto com o disparador para “travar” a câmara “acidentalmente” aberta, o que pode ser bem bacana para fazer o foco e planejar as imagens. Idéias!

Roletes da Colex

Dentro da processadora existe uma série de roletes. Eles servem para fazer o papel passar de uma ponta da processadora até a outra, entrando e saindo dos diversos banhos químicos que ficam ali aguardando o papel.

roletes

A esquerda um rolete danificado na extremidade, onde falta o eixo em aço inox. A direita um que apesar de usado ainda está completo. O eixo de inox além de cair ainda deixou um tanto de químico entrar para dentro da estrutura do rolete, e tem um tanto de ferrugem que se criou lá dentro. Primeiro então enchi o espaço dentro do rolete com Ferrox (que reduz a ferrugem) e deixei agir. Agora ele está secando na janela, vou deixar isso rolar por uns dias antes de usar araldite para colar outro eixo de 3/16″ de polegada no lugar do antigo. Na falta de aço nessa especificação resolvi improvisar o eixo com um pedaço de broca de furadeira que perdeu o fio.