Arquivo do autor:Guilherme Maranhão

Passeios matinais pelo centro de São Paulo

Anúncios

Filme gráfico em formato 120

Em junho do ano passado eu já tinha começado a investigar na possibilidade de colocar filme gráfico (filme para imagesetter infravermelho) em bobinas de filme 120 para usar em câmeras de médio formato. A idéia era experimentar esse filme desconhecido de uma maneira que fosse mais fácil controlar a questão do foco da luz infravermelha.

Tive um sucesso inicial ali, mas depois acabei não tendo tempo de fazer mais bobinas com aquele filme e o projeto ficou de lado um pouco. Essa semana me deu vontade de continuar quando lembrei que tinha uma ponta de um rolo de um outro filme gráfico, o PSD da Indústria Brasileira de Filmes (IBF). A única diferença aqui é que eu poderia usar a luz de segurança enquanto cortaria o filme com estilete, mas acho que isso faria toda a diferença.

E fez, em uma noite consegui fazer 29 rolos de filme 120 a partir de aproximadamente 5 metros de filme PSD de 35cm de largura com manchinhas e alguns problemas causados pela umidade. Agora vou estudar uma maneira de fazer isso com o filme infravermelho, parece que uma luz verde pode ser usada com ele.

Horizon Kompakt • hacks no escaneamento

Os negativos da Horizon são mais compridos que o normal, mas usando o software TLX é possível fazer o Pakon degluti-los sem reclamar muito (só um pouco).

Os arquivos resultantes tem em torno de 2000×4900 pixels, nada mal pensando num scanner antigo e a qualidade da imagem (foco no grão, contraste herdado do filme original) é muito boa. O procedimento de ensinar esse novo formato ao aparelho envolve definir através de uma interface bem antiga as dimensões dos negativos, seu espaçamento na tripa de filme e o crop que o scanner vai realizar, para o Pakon ser capaz de localizar as imagens automaticamente.

As imagens são de uma caminhada pela manhã de domingo em São Paulo que o Washington Sueto começou a organizar recentemente. Nesse dia começamos às 6h30, perto do Mercadão.

Nessas duas últimas imagens ainda era muito cedo e até a iluminação da cidade ainda estava acesa, optei pela velocidade mais baixa do obturador da Kompakt que é de 1/2 segundo de exposição. Foi tudo bem apesar de não ter levado tripé.

Bela Nova Reciclagem de Eletrônicos

A Bela Nova é uma loja que fica na Rua dos Gusmões, 104, na região da Rua Santa Efigênia. Não é uma regra, mas na Rua Santa Efigênia se vendem eletrônicos novos, na Rua dos Andrada se vendem eletrônicos recondicionados e na Rua do Triunfo se vendem sucatas de eletrônicos. Rua Aurora, Rua Vitória e Rua dos Gusmões cortam as três outra ruas e a Bela Nova fica um pouco além da Rua do Triunfo definitivamente na região da sucata, mas apresenta o que se chamaria seguindo alguns padrões de 2018 como curadoria em reciclagem de eletrônicos ou ainda reciclagem de eletrônicos gourmet.

Perceba do ampliador Leitz e o ampliador Beseler na foto abaixo.

A foto seguinte dá a dimensão do galpão dos fundos da Bela Nova.

A entrada da Bela Nova, o mezanino oferece uma visão da enormidade do acervo.

Aqui um armário dedicado exclusivamente às câmeras. Clique para dar zoom.

Horizon Kompakt • hacks

A Horizon Kompakt é uma câmera panorâmica produzida pela KMZ e vendida pela Lomography. É o modelo mais simples de toda a linha Horizon.

O rompimento dos filmes 35mm durante o avanço tanto nas Kompakt como nas Perfekt é comum e uma coisa que fica clara rapidamente é que os sprockets da Horizon são muito fáceis de emperrar. A sequência de engrenagens que faz o contador funcionar contribui para esse problema e qualquer falta de lubrificação do contador consegue parar o movimento do filme.

Para começar, vale ver esse post aqui que mostra a montagem de uma Kompakt, não precisamos desmontar tanto, só tirar a frente de ABS.

Com a câmera sem as coberturas de plástico ABS é fácil ver do lado do disparador esse grupo de 3 engrenagens. Ao girar o contador de frames para trás, as 3 engrenagens devem se mover livremente, caso contrário, um pouquinho de desengripante e depois uma graxa nova são a solução.

Foto acima: desengripante no fundo de tudo que corre por dentro do takeup spool pode ser uma boa idéia também.

Abaixo, sequência da remontagem, caso vc tenha tirado a parte de ABS traseira, mas não é necessário fazer isso para engraxar a engrenagem do contador:
Primeiro a tampa traseira (cuidado para não perder os pinos/eixos, eles são soltos da tampa).
Segunda e terceira foto, gerenciando a instalação do botão disparador, cuidado para não arrancar ele na remontagem.

Fiz em madeira uma peça parecida com o adaptador de tripé da Manfrotto. Adicionei duas lascas de madeira mais dura nas superfícies que recebem mais pressão. Deixei secar de um dia para o outro. Preparei as superfícies do fundo da câmera e do topo do adaptador para a colagem com Araldite. Usei 4 parafusos pequenos para fortalecer essa junção.

Adaptador no lugar, cola escorrida, visor limpo por dentro (ah!), avanço do filme bem facinho, que delícia.

Kodabromide Mofado

Recentemente ganhei um envelope bem antigo de Kodabromide W-3, essa papel foi fabricado no Brasil, provavelmente entre 1970 e 1980, um papel fibra, peso duplo, grau de contraste 3, relativamente alto para época. Não fosse o tempo que ele ficou guardado, o véu que se formou, ele ainda mofou bem em alguns pontos, criando uma série de sub-imagens interessantes.

Resolvi colocar em uso o revelador de ácido ascórbico e hidroquinona proposto pelo Patrick Gainer no artigo dele no Unblinking Eye, o link está aqui, é o revelador que dá errado nos inícios dos testes, esse que eu decidi usar. Reveladores que induzem a revelação infecciosa podem ser interessantes para papéis antigos.

Fiz um vídeo explicativo e guardei nos highlights dos meus stories no Instagram.