Lesma • Festival de Fotografia Lenta

A Lesma é organizada pelo ateliê Tira-Olhos

A Feira da Lesma será um evento de pequena escala, que contará com a presença de vários autores convidados. A Feira poderá ser visitada ao longo de todo o Festival.
No âmbito da Lesma, será apresentado um conjunto de obras, ora criada especificamente para o evento, ora apresentada ao público pela primeira vez:
“Scott, papel a rolo”, António Rebolo
“À Descoberta do Mistério da Luz”, Filipe Alves
“Premente Permanência”, Ivan Silva
“Câmara Viva”, Paula Lourenço e Mário Rainha Campos
“Indumentária”, Miguel Duarte
“Paisagem Consentida”, Sofia Silva

O programa completo da LESMA está a partir de hoje disponível para consulta e download em https://tiraolhos.pt/. Durante 3 dias o experimentalismo ocupará a Padaria do Povo, com manifestações artísticas, um ciclo de conversas lentas, uma feira, oficinas e demonstrações As inscrições para as oficinas abrem no dia 13 de Setembro às 0 horas. Até já!

A LESMA conta com o apoio da Direção-Geral das Artes – Apoio a Projectos: Programação e Desenvolvimento de Públicos – e com a colaboração da cooperativa A Padaria do Povo, que nos dará abrigo, a Associação Oficina do Cego, parceira na criação dos posters LESMA, e do Colectivo Tripé.

O ciclo de Oficinas programado no âmbito da LESMA conta com a participação de vários autores, nomeadamente: António Rebolo, Alexandre de Magalhães, Imagerie – Casa de Imagens, Silverbox Studio, FIVE Studio Sintra, Guilherme Maranhão, Luis Pavão, Susana Paiva, Tipografia do Papeleiro Doido, Walking Camera Project e Tira-Olhos.

Ciclo de Conversas criado por José Soudo para a LESMA, que decorrerá nos dias 25 e 26 de Setembro na Sala dos Fornos da Cooperativa A Padaria do Povo, em Campo de Ourique.
Este ciclo contará com a participação dos seguintes autores: António Campos Leal , Nuno Pinheiro, Alexandre Ramos, Luís Rocha, Guilherme Maranhao, Luís Ribeiro, Ângela Berlinde, Alexandre de Magalhães, Paulo Tribolet, Camilla Watson, Luis Pavao, Adriano Miranda, Leonel de Castro, Pauliana Valente Pimentel, Sandra Rocha, Filipe Figueiredo, Flávio Andrade, João Mariano, Fernando Marante, Ana Caria Pereira, Susana Paiva e Paula Figueiredo.

Acompanhe a Lesma pelo hashtag: https://www.instagram.com/explore/tags/lesmafotografialenta/

Revisitando meu projeto com timelapses

Há uns anos, ainda em São Paulo, explorei o software Gawker e uma webcam que eu tinha na época para criar alguns timelapses a partir da janela do ateliê da Rua Tabapuã. A primeira experiência foi aqui e a segunda aqui.

Recentemente encontrei alguns itens no lixo de Braga que me fizeram lembrar daquelas experiências e me deram novas idéias.

As objetivas das webcams tem algo em torno de 5mm de distância focal, logo usar uma objetiva 20mm seria como adaptar um teleobjetiva.

Desmontei essa objetiva mount NX que apareceu no lixo para deixar o diafragma mais aberto, numa posição que permitisse mais luz no sensor.

Enquanto isso explorei o interior da webcam para saber o que tinha por lá e qual o tamanho do sensor.

Uma vez que todos os componentes foram explorados e desmontados, com madeira fininha (de uma caixa de frutas) fiz uma prova de conceito da montagem dessa objetiva com o sensor da dessa webcam.

Usei um tubinho de papel preto para impedir que luz não desejada chegasse ao sensor.

Apontei a câmera em direção ao vale do Rio Cávado, na direção Norte e gravei por uns minutos.

A aprender com os miúdos

Daqui a pouco já fará dois anos que estou por aqui. Muito desse tempo, junto com a pandemia, passei fechado num quarto, trabalhando de casa num emprego que nada tem a ver com esse mundo aqui. Cheguei a aproveitar a convivência dos portugueses nos primeiros meses, mas o isolamento e esse trabalho mudaram os rumos das coisas por aqui.

Recentemente fui convidado pela Pavac (Passos Audiovisuais Associação Cultural) para facilitar umas oficinas para crianças. A câmara municipal cria atividades para que as ATLs tragam suas crianças durante às férias. ATLs são entidades ou mesmo escolas que se organizam para oferecer atividades em tempo livre para as crianças. Enfim, o termo é usado para cães também, por exemplo.

As crianças são sempre os melhores alunos, principalmente numa oficina livre como essa, eles falam as coisas mais inusitadas e nos mantém em alerta 100% do tempo, é um passeio com muito pouco conforto, mas um aprendizado incrível.

“Eu vejo um cavalo!” gritou um, o outro falou “Eu vejo um gato!”. Depois viram foguetes e estações espaciais. Uma menina me perguntou onde eu tinha aprendido tudo isso, expliquei que era fotógrafo e tinha aprendido essas coisas ao longo dos anos e até faculdade de fotografia eu tinha feito, ela não teve dúvida: “Então é isso que eu vou fazer.”

Um outro logo me perguntou há quanto tempo eu estava em Portugal. A professora que vinha junto me perguntou se eu preferia o Brasil. Porque a imagem fica invertida? Expliquei como funciona uma foto da câmara Instax. Falei da botânica Anna Atkins. Não assustei eles com nomes complicados, quem precisa saber que se chama quimiograma? Podemos apenas chamar de fotografia, não?

Esse quimiograma a partir de uma folha de Tília, que acima, chamou a atenção de uma menina com seus 12 anos, ela disse que era um coração malvado. Fiquei pensando nas ligações entre o vocabulário da língua falada e as manchas de química que parece chamas envolvendo o coração.

Experimentamos para reproduzir o efeito, mas nenhum ficou tão malvado, disse ela. O S que se formou no canto superior direito talvez tenha a ver com isso, não sei.

Graças ao miúdos eu perdi o medo e aprendi a fixar lumen prints com revelador bem diluído. Dessas coisas que me deixam triste, porque a imagem perde muita densidade, mas assim eles puderam levar as cópias de volta para a escola e mostrar para os pais.

As folhas de carvalho são muito densas, mas as folhas de tília tem uma transparência ímpar. Folhas ligeiramente úmidas soltam um vapor de água que cria efeito de borda nas lumen prints, é algo lindo de ver acontecer e que pode ser percebido na próxima imagem.

Eu nem lembrava a saudade que eu tinha de fazer lumen prints, como é bom. E é perfeito para o verão, aqui no paralelo 41, onde o Sol não é tão forte no resto do ano. As crianças e o Pavac me devolveram algumas sensações quase esquecidas, obrigado!

Entupimentos e tal

Voltei a tentar usar a R3000 e acabei descobrindo dois canais bem entupidos. Fiz uma série de modificações na impressora, ligando os tanques externos diretos às mangueiras para eliminar todos os problemas que poderiam ser causados pelo sistema de vácuo usado para tirar tinta do cartucho.

Ainda assim os entupimentos não forma embora, tentei desmontar a cabeça por completo e coloquei a superfície da cabeça em contato com líquido de limpeza para desentupir a cabeça, ainda não resolveu, mas rendeu o vídeo bonito abaixo.

Ainda para continuar essa investigação.

Tenso

Nessa semana recebi um e-mail do GuardeAqui da Lapa, onde estão temporariamente minhas impressões fotográficas, meus negativos, o que sobrou do ateliê. Eles avisavam que havia ocorrido um incêndio e que a unidade estaria fechada até segunda ordem. Já se passaram alguns dias e não tive mais notícias, não sabemos ainda em que parte do prédio ocorreu o incêndio, nem que unidades poderiam ter sido afetadas.

No Twitter, localizei esse post do 193 sobre o ocorrido. Imagino que assim que a Defesa Civil liberar o prédio, que o GuardeAqui vai mandar informações aos seus clientes. Enquanto isso, fica aqui a cabeça a imaginar o que pode ter sido perdido e como lidar com isso no futuro.

Nasa Perseverance • Pasta com imagens não processadas

A Nasa já publicou mais de uma centena de imagens não processadas da missão que acaba de chegar a Marte:

https://mars.nasa.gov/mars2020/multimedia/raw-images/

E se você quiser saber onde está o rover Perseverance, se liga nesse mapa interativo (a propósito, ele só deve começar a se movimentar na semana que vem):

https://mars.nasa.gov/mars2020/mission/where-is-the-rover/

Foi mesmo um susto

Há 20 anos, o que ficou desse dia foi um belo galo na cabeça, um medo profundo de andar de carro perto dos zero graus centígrados e minha Hasselblad quebrada. A bolsa não estava bem fechada e ela saiu voando pelo carro, back e lente foram arrancados do corpo que ficou amassado na lateral e nunca mais funcionou.

Ainda era viável fotografar e revelar filme positivo. Algumas digitais estavam aparecendo com preços mais convidativos, mas nada que se comparasse à beleza de um slide bem revelado. Dois anos depois eu faria o último rolo de filme positivo revelado em E-6 e passaria a fazer todos os trabalhos cor em digital e filme negativo (que o minilab já escaneava). E ainda se passaram muitos anos até que eu tivesse um scanner capaz de trazer para o mundo digital as linda cores dos slides que eu fiz antes de 2003, mas isso é só história.

Desses slides que sobraram dessa época, lá por 2019 eu selecionei um conjunto de 48 imagens. Foi mesmo um número arbitrário, as cartelas de slides que eu tinha eram para 24 slides, eu achava que uma seria pouco, achei que duas seria suficiente. Era um apanhado geral de pastas de slides, não eram as melhores imagens, era apenas uma sequência interessante com coisas que eu jamais mostraria por qualquer outra razão.

Fez muito sentido criar aquela sequência naquela hora. Fiquei com aquela sensação que o sentido iria desaparecer, mas ele insistentemente está ali ainda. É verdade que são imagens que eu mesmo vi muito pouco e elas ainda me causam estranhamento. Coisas que eu vi muito pela lupa, apenas. É verdade que são coisas e lugares que tocam o coração. Eu era jovem. Quero acreditar que há algo mais ali, algo que outras pessoas possam desfrutar. Existem algumas pessoas indiferentes andando pela cidade, algumas pessoas esperando, existem uma sensação de busca, uma procura.

E ter restaurado a impressora colorida, abriu portas para várias idéias que estavam guardadas à espera de dias em que imprimir fosse mais fácil, agora é a hora.

Novos texto sobre tintas inkjet e suportes reaproveitados

“Desde minhas experiências com as tintas a base de carbono que eu imagino que seria possível fazer algo parecido com tintas coloridas também. As tintas a base de carbono, como expliquei naquela série de artigos, tem a grande vantagem de ajudarem a desentupir canais já aparentemente comprometidos e de não necessitar de todos os canais/cores, ou seja, podem ser usadas com impressoras que de fato tem canais por onde não passa mais tinta.


Minha curiosidade dependia então da impressora certa aparecer, nas condições ideais. Em 2020 ganhei uma impressora. É uma Epson R3000 que seria descartada e que tinha alguns cartuchos ainda com tinta e alguns vazios. Ao tentar ligar a impressora, ela imediatamente reclamava do cartucho PK vazio e parava ali.
Me pus a pensar em como comprovar se ela ainda estaria apta a funcionar, sem incorrer em gastos. Meu orçamento era bem pequeno, teria que completar com a minha paciência.
Comparei preços dos cartuchos que faltavam com kits de cartuchos recarregáveis vindos da China, considerei as etapas seguintes…”

O resto do texto está disponível em: https://efecetera.com/tutorial/impressao_inkjet_com_tintas_reaproveitadas/

Outra maneira de encontrar esses conteúdos é pela barra lateral aqui do blog. Criei links para meu conteúdo nos sites Efecetera, PetaPixel e Emulsive.

Um dos planos para o futuro

Queria escrever aqui sobre as idéias passadas e presentes sobre a fotografia. Escrever tem sido a atividade mais adaptável a esses tempos. Nada mais perfeito para um dia trancado em casa, de folga, no meio na pandemia, enquanto lá fora está frio, chuvoso e virulento.

A impossibilidade de causar aglomerações e até pequenos ajuntamentos realmente bagunçou meus planos com a fotografia. Outra coisa que dificultou muito foi o peso e o volume dos meus trabalhos e simplesmente não poder trazê-los comigo. Acho que minhas idéias para esse futuro, que agora é presente, contavam com isso, poder juntar pessoas, poder ter aqui minhas cópias e impressões do passado, meus negativos, etc.

Talvez essa situação pandêmica simplesmente seja o que dá esse enorme desânimo, que eu tenho certeza que todo mundo está sentindo. E no meio disso, presumo ser normal uma série de questionamentos sobre tudo que fiz e tudo que me trouxe até aqui, questiono até os posts nesse blog.

Recentemente, me foi apresentado um artigo de Carmen Dalmau na revista online LUR, do qual extraio um breve trecho:

“Podemos hablar en un sentido estrictamente académico del fin de la fotografía, entendido como el relato hegemónico de la fotografía como continuación de la pintura para ser la mimesis del mundo. Ahora tenemos una interesante imagen del mundo corrompida, sublimada, alterada, recreada, fragmentada, apropiada.

Algunas reflexiones sobre la fotografía actual se han instalado en dilemas como fotografía analógica o digital, fin de la fotografía o posfotografía, todos ellos centrados más en la técnica y en la formalización de la imagen y prestando menos atención al relato.

Asistimos a un cambio de época, de modelo, y quizás de paradigma, que afecta a la creación visual tanto como a la danza, las artes performativas, las dramaturgias, y a las perspectivas y enfoques en los contenidos del relato.”

Olho para os mais de oitocentos posts desse blog aqui, é fato que os dilemas são quase totalmente técnicos. Há sempre um relato que se pretende fazer com as imagens que frutificam dessas pesquisas e descobertas que eu conto aqui, mas o blog nunca foi o espaço que escolhi para discutir esses tais relatos até mais recentemente. Fiquei feliz de encontrar essa passagem nesse artigo, senti que minha implicância e questionamento com meus próprios escritos estava espelhada ali.

Discutir a técnica fotográfica é cativante, gera alguns cliques, permite criar parágrafos curtos e objetivos além de ter a sua importância. Discutir os relatos pretendidos com as imagens é um tanto mais difícil, não acredito que seja possível ser tão objetivo em palavras, e pode trazer situações em que não se pode argumentar, defender, ou discutir, algumas crenças simplesmente são. Crenças podem mudar com o tempo, mas no presente, durante o ato da foto, ou da escrita, ali elas simplesmente são.

Mas ficou claro, preciso escrever mais sobre as escolhas não-técnicas na minha fotografia.

Uma imagem dentro da imagem dentro de outra imagem…

Estava olhando alguma rede social quando fui encontrado por um anúncio de um festival de fotografia. Era para um Open Call de uma exposição. Dessas que tem que pagar para participar até da seleção, era triste demais e fora das minhas posses. Mas tinha um texto propositivo e inspirador. A idéia era produzir algo no lugar onde passamos mais tempo durante a pandemia, no nosso quarto ou na nossa mesa de trabalho em casa. Aquilo me encheu de idéias, apesar de eu não ter a menor intenção de participar da seleção.

Comecei escaneando meu rosto, de modo que a minha respiração ficasse registrada no vidro do scanner que estava gelado.

Depois abri o arquivo no computador, com cuidado pintei o nome da marca do computador para não aparecer e fotografei com uma DSLR. Deixei o celular ao lado para já anunciar o que viria. Na imagem seguinte, abri a webcam do computador cujo monitor aparece ao fundo.

Nos reflexos da tela aparecia eu também, enquanto fotografava a tela com o telefone. A fita azul que meu filho usou para decorar o teclado do outro computador já ia tecendo um padrão.

Parei para atualizar o Ubuntu Studio e abri a primeira imagem no celular também. Fotografei com um outro smartphone. Comecei a usar algumas coisas que eu achei no lixo daqui, esse era um smartphone THL 5000.

Um tratamento PB com contraste reforçado foi necessário para fazer um print em carbono que iria figurar na próxima imagem. Postei esse teaser no Insta.

Depois que o print estava seco, uns dias mais tarde, com um LED para equilibrar a luz, fiz essa imagem e depois a seguinte. O contraste ficou muito marcado nos olhos gerando um banding que eu não curti. O enquadramento ajudou a compor, esconder, sem ter que voltar atrás.

Consegui mudar a estrutura da imagem que caminhava para a parte da esquerda e devolver para o centro. Dai fiz diversas tentativas para incluir a tela espatifada de um smartphone Asus, até que cheguei nessa imagem.

Esse Asus veio de um local de descarte de eletrônicos aqui da cidade. Era impossível usar o Asus para fotografar, a câmara deixava a imagem amarelada e contrastada demais. Já o modo HDR destruía os detalhes da imagem.Mas me seduzi pela idéia de usar a tela rachada. Seria uma nova camada inesperada para a imagem. Então usei o bluetooth para mandar a imagem para dentro do smartphone, abri a imagem na tela cheia e fotografei com outro smartphone.

Enquanto editava esse post cheguei a fazer essa brincadeira.

Continuei a editar o post e vou continuar e aprofundar a imagem.