Arquivo da tag: Flusser

Para que fotografar?

Uma amiga me pergunta porque fotografar. A piração advém da leitura do Flusser. Ele expõe a idéia dele da diferença entre funcionário e fotógrafo. Ela enlouquece. Para que ser funcionária do aparelho? Já lembro do querido professor Wladimir me dizendo que “o pior xingamento para fotógrafo é funcionário”, ele completa, “melhor ainda quando o cara não entende que é xingamento”.

Imediatamente eu replico, não por nada além de reflexo, ou seja, sem reflexão: “eu não fotografo para ser funcionário ou fotógrafo, fotografo porque isso media relações com outras pessoas”. E agora, passados alguns dias, tendo ouvido as mesmas palavras dela novamente, nada diferente me ocorre para responder àquilo. Pouco interessa como é o relacionamento com a câmara, interessa que a existência dele propicie outros relacionamentos, esses com pessoas, das mais variadas maneiras e intensidades.

Hoje, uma foto em especial me fez pensar nessa tal mediação.

sergioedorival

Difícil explicar porque, mas arrisco: das três pêras do quadro, uma está partida.

Anúncios

Campus Party • pensando no Flusser

Hoje foi uma dia curto para mim no CP. Aqui continua a oficina tocada pelo Glerm, Bits e Volts na Unha, na foto abaixo. Mas nada mais é muito assim aqui.

cp004

Ganhei um livro que o 2F editou com a história da Metareciclagem, o Mutirão da Gambiarra. O Mutirão da Gambiarra é um esforço colaborativo para promover a coleta, organização e análise da documentação gerada pela rede MetaReciclagem. O livro é uma apostila de 115 páginas, impressa em xerox ou laser gráfico, nada demais, o que conta ali é a história, que está impressa agora, e os textos que são imperdíveis. Alguns só estão na íntegra na web, como esse do Hernani, que dá uma idéia do que foi o projeto Metá:Fora e quais braços ele lançou por ai. Lá pelas tantas, 2F reproduz um texto do Sergio Rosa pinçado do Overmundo, sensacional, boas perguntas, boas respostas.

A parte mais interessante até agora, do CP, é essa constatação de algumas coisas que Flusser colocou sobre o aparelho (pelo menos para mim, nas entrelinhas). Quando Flusser separa os operadores de aparelhos entre Funcionários e Fotógrafos, pensando na câmara fotográfica, e estabelece o quão escura a caixa preta pode ser para um ou para outro como a diferença que os separa em suas diferentes categorias ele me parece tocar numa questão muito importante. Aqui vieram pessoas que consideram o computador quase transparente, eles só vêem quem está no chat do lado de lá ou o soldado palestino que está tentando matá-lo em um game. E outras pessoas que fazem questão de torná-lo transparente com acrílico ao invés de metal, o que pode tornar o computador ainda mais escuro e desconhecido apesar de suas cores vivas. Por outro lado o pessoal do desenvolvimento parece conhecer a fundo os meandros das máquinas. Alguns se perdem em seu caminho exigindo que o mundo inteiro avance em tandem com a tecnologia, desculpa, isso é inviável! Cada um de nós tem as suas prioridades. Funcionários e operadores avançados vêem nos aparelhos soluções para problemas diferentes.

Essa “forçação de barra” dos desenvolvedores não é diferente da dos que defendem a inclusão digital irrestrita. Para muita gente blog, orkut, youtube simplesmente não querem dizer nada, nem nunca vão querer, é mais razoável e humano deixar as pessoas viverem as suas vidas. Mas isso é só a minha opinião

E pensando na bola que Flusser já tinha cantado, sobre a intenção do aparelho, que é intenção programada nele pelo seu fabricante: o aparelho indústria, chego a uma conclusão que essa “forçação de barra” é exatamente o resultado do que Flusse colocou como o aparelho tentando programar o seu funcionário para melhorado infinitamente.

Nada é definitivo aqui, são só versões, 1.0, 2.0, 3.0, e esse encontro serve para gerar a necessidade da 4.0.

Campus Party • programação

Terça 15h – Mesa Bits e Volts na Unha

Quarta 17h – Como fazer Boas Fotos com uma Camara Tosca

Sexta 15h – Demonstração Refotografia com Scanner

cp001

Uma fotinho da bancada onde me instalei no CP junto ao pessoal do Metareciclagem. Um evento diferente onde as pessoas trazem seus aparelhos para conviverem juntos. O Vilém com certeza ia se divertir bastante criticando tudo isso. Eu queria muito saber se sou o único que trouxe câmara de filme para cá.

Glossário do Flusser

Tem um glossário logo ali, cá em cima, nos tabs desse blog.

E sempre que eu entro ali para adicionar uma palavra, ou mesmo ler o que já escrevi sobre alguma outra, eu penso no glossário para uma futura filosofia da fotografia. Esse é o glossário que está nas edições da Filosofia da Caixa Preta de Vilém Flusser.

O glossário de Flusser tem verbetes sensacionais, curtos e pungentes. Tais como o primeiro de todos:

“Aparelho – brinquedo que simula um tipo de pensamento.” (sic)

E é só isso mesmo, até porque mais não é necessário. Outro:

“Informação – situação pouco-provável.” (sic)

E por ai vai. Curioso é ver que o esqueleto do livro está no glossário, e ao contrário do que se imaginaria, para entender completamente o glossário é necessário ler todo o livro.

Pequenos Livros e Pequenas Tiragens

Em Flusser temos o seguinte:

“Capítulo 6 – A Distribuição da Fotografia

As características que distinguem a fotografia das demais imagens técnicas se revelam ao considerarmos como são distribuídas. As fotografias são superfícies imóveis e mudas que esperam, pacientemente, serem distribuídas pelo processo de multiplicação ao infinito. São folhas. Podem passar de mão em mão, não precisam de aparelhos técnicos para serem distribuídas. Podem ser guardadas em gavetas, não exigem memórias sofisticadas para seu armazenamento.”

E por isso hoje começa uma outra oficina. Vai ser no Pompéia, sobre pequenos livros em pequenas tiragens.

A intenção que prevalece

No quinto capítulo, de seu livro mais famoso entre fotógrafos, Vilém Flusser escreve o seguinte:

“Resumindo: a intenção programada no aparelho é a de realizar o seu programa, ou seja, programar os homens para que lhe sirvam de feed-back para o seu contínuo aperfeiçoamento.”

O trecho culmina com a seguinte frase: “A fotografia é, pois, mensagem que articula ambas as intenções codificadoras. Enquanto não existir crítica fotográfica que revele essa ambigüidade do código fotográfico, a intenção do aparelho prevalecerá sobre a intenção humana.”

Tenho lido e relido esse trecho. Me faz pensar naquele elogio deferido à câmara, que irrita o operador: “Boa sua foto! Que câmara você usa?” O fato é que pouco sabemos separar o que é nossa intenção, o que é intenção já embutida na câmara, no computador, no scanner. Acho que deveria haver um esforço para separar os méritos de cada um.

No Acre

Em Rio Branco conheci a Carmem. Quanta energia. Aprendi bastante. No avião, indo e vindo de uma cidade para outra, li Flusser. Ele questiona até onde vai a intenção do aparelho numa fotografia e a intenção do operador. Ele acredita que o aparelho fotográfico nos programa para esgotar o programa dele próprio. Assim, logo achamos que nosso aparelho é obsoleto, o que nos faz querer adquirir outro aparelho mais novo do aparelho indústria fotográfica. Será?