Arquivo da tag: 5×7″

15 de Setembro • hall do prédio

Há uns anos eu sai do elevador no fim do dia e dei de cara com um raio de Sol atravessando o hall dos elevadores do prédio. Era 15 de Setembro, 16h45. Fiz uma foto de celular e coloquei o JPG na pasta Lugares para Fotografar.

Os anos passaram e eu não lembrava. Até que agora, em 2018, eu lembrei.

Montei a 5×7″ com uma grande-angular, levei uns 20 minutos até deixar tudo retinho. Ainda bem que eu comecei mais cedo. Dai fiquei esperando e fazendo as fotos que aparecem aqui.

A grande-angular (para 5×7″) é a 150mm G-Claron que aparece aqui.

Depois da chapa lavada, fiz um clique com o celular para ver se a imagem estava lá. Ainda revelei mais uma outra chapa com mais 50% de tempo de revelação para um opção com mais contraste.

De Vere 504 • Conversão para 5×7″ parte I

A idéia era antiga, transpor a cabeça do Elwood para um coluna menos problemática.

Comecei a juntar alguns pedaços de madeira e alumínio. Usei uma tupia manual para vazar as placas de compensado que formarão uma extensão. As peças de alumínio servirão para prender essa extensão na coluna.

Uni as duas peças de alumínio com rebites e ameacei na posição para essa foto.

Aqui as placas já formam um bloco que está sendo colado com epóxi no alumínio para facilitar o alinhamento na hora de aparafusar e unir os dois materiais.

A peça inferior da cabeça do Elwood ainda será cortada (nas linhas azúis) para alinhar os furos.

Aqui o problema visto de outro ângulo. Também dá para ver a altura que o bloco ficou, 50mm ou 5 pedaços de compensado de 10mm.

Grande Formato • idéias e soluções

Recentemente me envolvi em algumas discussões sobre grande formato (câmaras fotográficas de filme de 4×5″ e maiores). Tudo começou quando Belém perguntou o que levava a gente a ainda usar câmaras grandes. Depois a Denise perguntou de maneira diferente algo parecido.

Hoje em dia muitos que não usam grande formato parecem interessados em saber porque os que usam ainda o fazem, já que é tudo tão pesado e lento. Vivemos num mundo que se imagina rápido e leve.

Confesso que me interessei desde sempre por esses formatos. Construi minha primeira 4×5″ em 1993. Tem umas fotos disso no texto do TCC que está na página Guloseimas. Eu acabei construindo e juntando câmaras nos 3 formatos principais: 4×5″, 5×7″ e 8×10″. Acho que o predileto é o 5×7″, já que ele é ligeiramente mais comprido.

Ao contrário desse questionamento coletivo o que me interessa mais nesse momento é definir um lensboard padrão. E o que parece uma questão muito mais simples e não tão conceitual tem me dado muito trabalho.

Em 4×5″, meu conjunto mais antigo é o da Busch Pressman. É um conjunto portátil, ele cabe numa Domke F1x ou mesmo numa mochila Alhva: câmara, 90mm Raptar, 135 Trioplan (nem coating tem…), 250mm Tele-Optar, alguns holders, cabo disparador, fotômetro e uma lupa improvisada. A minha Pressman é o resultado da fusão de duas que encontrei pela vida. Tem um capuchão da Graflex na traseira, uma adaptação para caber direto num tripé Manfrotto. Tirei fora o telêmetro e tudo mais que fazia peso extra sem ter utilidade.

O lensboard da Pressman é tão chato de fazer ou encaixar em outro lugar, que acabei deixando de lado qualquer idéia de juntar essas lentes a outra câmara, sendo assim esse kit é independente.

Também em 4×5″ tenho uma Toyo G monorail (das antigas que não trocam de fole). Com ela ganhei um adaptador de lensboard Technika e dois lensboards (que no momento tem uma 210mm Symmar e uma 250mm Tele-Xenar, ambas arcáicas). Depois disso descobri que a Shenhao usa os mesmos lensboards e que eles são super fáceis de achar e comprar direto da China pelo eBay. Comecei a investir em mais alguns. O lensboard da Technika/Shenhao é pequeno, tornando tudo mais portátil, não é à toa que muitos fotógrafos optam por esse modelo de lensboard. Isso acaba sendo bom, já que existem adaptadores para Technika para quase todas as câmaras. Por outro lado às vezes ele é pequeno demais.

Em 8×10″ uso uma Agfa Ansco de madeira. Construi vários lensboards para ela, são fáceis de fazer em madeira compensada mesmo, 21x21cm aproximadamente. Algumas outras lentes eram compartilhadas com uma Burke and James 4×5″/5×7″ com seus porta lentes de madeira com 15x15cm: 240mmm Claron, 155mm Cooke Series VIIb e 260mm Cooke Series II. Para esse compartilhamento fiz um adaptador de 15x15cm para 21x21cm. Agora vou precisar fazer mais um adaptador para usar as lentes nos boards da Technika na 8×10″ e pensar quais lentes terão que estar em lensboards compartilháveis.

Em 5×7″ agora terei um Toyo Field 4 3/4 x 6 1/2 antiguinha que estou reformando. A princípio pretendo conseguir adaptar a frente dessa Toyo para só aceitar os lensboards da Technika, deixando tudo mais fácil. No momento ela aceita os da Graflex, o que dá uma enorme confusão.

Para encerrar o problema, encontrei um back 5×7″ para a Agfa Ansco. Isso serve para alguns raros momentos em que eu quiser usar as lentes enormes (Cooke series II e 500mm Kodak que não caberiam num lensboard Technika) com esse formato.

Fole DIY

Só uma última consideração sobre os materiais do fole: a idéia de usar o plástico preto da embalagem de papel fotográfico (Daniel Mitchell) foi ótima. Eu tinha dois sacos pretos de papel tamanho 50x60cm, um mais fininho, um mais grosso, usei o mais grosso (de um papel Ilford importado). Além disso usei um papel Colorplus preto pesado como estrutura do fole (tamanho A2, adquirido na Papelaria Universitária, R$5,60) e mais o tecido (forro 55% poliéster 45% algodão, R$7,20 por 1 metro que rendeu dois foles).

O próprio Mitchell fala em colocar tecido em ambos os lados do plástico para dar um ar mais profissional ao fole, eu não fiz isso. Porque? Porque todos esses materiais já eram coisa demais para o fole de uma câmara field (que tem menos espaço para o fole quando ela fica fechada). O tecido ficou virado para dentro, dando o acabamento fosco que o fole necessita. O plástico para fora.

Existem tecidos especiais para isso a venda em lojas no exterior e existem foles a venda para essa câmara no eBay, não era o caso, mas talvez essas soluções fossem mais indicadas para um caso tão específico.

Além disso, teoricamente o plástico não deve aguentar por tanto tempo quanto um tecido especial, vamos ver quantas fotos consigo fazer antes dos cantos do fole começarem a rasgar pela fatiga do material.

Fole DIY

Para começar refiz todas as medições do fole antigo e rasgado. Isso foi ainda mais difícil, porque é complicado esticar um fole rasgado ainda mais para medi-lo, mas enfim…

Ficaram assim as estruturas de papel novas. Depois disso, ainda usando a cola 77 da 3M colei isso ao tecido preto.

Imediatamente após a colagem, já refilei o tecido, deixando poucos centímetros para o fechamento do fole e só. Isso já foi um aprendizado da primeira tentativa, quando o excesso de tecido complicou o fechamento do fole depois.

Portanto, com o tecido refilado, fechei essa parte do fole (tecido e papel) e só com essa parte fechado é que comecei a colar o plástico na parte exterior.

Terminada a colagem do plástico pela parte externa, após refilar o plástico, o fole ficou assim:

Ai só faltava dobrar. Como bem escreveu um figura que fez um site que me serviu de referência nessa empreitada, não há como descrever a operação de dobrar um fole.

Menos problemas dessa vez, o fole não ficou perfeito, mas suas dimensões estão bem mais próximas e dentro do que é possível de usar nessa câmara. Agora o fole está na prensa, dando uma assentada. O próximo passo é cola-lo na câmara e ver o que acontece. Já já chegamos lá…

Fole DIY

Ganhei de um amigo o esqueleto de uma Toyo Field 4 3/4 x 6 1/2″ (que é um tamanho de filme que caiu em desudo).

A câmara veio com fole, mas o fole estava virando pó então separei os dois para evitar de sujar demais os mecanismos da câmara que estavam muito bons ainda. Veio também um back para filme 4×5″, mas minha idéia agora é fazer um back 5×7″ depois que eu terminar o fole.

O primeiro passo foi pesquisar na web onde encontrei alguns artigos sobre como fazer foles para câmaras, dentre eles os dois mais interessantes foram o do Doug Bardell e o do Daniel Mitchell. Dai estudei o fole antigo e tirei suas medidas (posteriormente descobri que cometi um erro nessa etapa).

O erro cometido tem a ver com o fato de achar que o fole era quadrado, ele não é, é ligeiramente retangular. Vacilo. Mas fui adiante sem saber e preparei a estrutura do fole como manda o artigo de Bardell.

Depois passei à montagem usando a cola 77 em spray da 3M segundo a dica de Mitchell e reutilizei um saco plástico preto de um envelope de papel fotográfico segundo uma outra dica dele também, que torna o fole bem mais barato, por sinal.

E depois coloquei o fole na prensa, para ver se ele pode ser comprimido o suficiente para ficar dentro da câmara. Isso funcionou.

Depois de umas horas na prensa, uma boa olhada no fole revela que ele não ficou quadrado na parte dianteira, fruto do erro no momento da medição do fole antigo. Uma das dias dos sites visitados era de providenciar material para mais de um fole, pensando que isso é algo comum de acontecer, ainda bem que segui essa dica, semana que vem dou notícias da próxima tentativa.

Solargraphy • teste

solar

Uns dias atrás falei do projeto Solargraphy de Tarja Trygg. Inspirado nas dicas que ele dá no site dele preparei uma câmara formato 5×7″ com um pedaço de papel P&B fibra dentro (Ilford Gallerie, G3, vencido). E a câmara está ai, imóvel, desde o dia daquele post (28/10/09).

O tempo virou aqui em Sampa, o Sol abriu e nos últimos dias o céu esteve assim, completamente azul. Isso foi ótimo para por em dia uns projetos fotográficos e deve estar causando uma velatura bacana no papel dentro da câmara.

Coloquei o diafragma em f/45 e colei um filtro polarizador por cima da lente para diminuir um pouco mais a intensidade de luz. Apontei a câmara para o poente. Tive o cuidado de fazer uma limpeza especial da janela logo a frente da câmara, que estava imunda.