Lembrança • Cópias enormes

guilherme maranhão ivam valencia

Vou começar com essa imagem. Isso foi no IVAM em Valencia na exposição Desidentidad de 2007 organizada pelo MAM-SP. Quem tirou a foto foi a Iara Freiberg, ela estava por lá para montar a exposição e me mandou essa imagem do meu trabalho tomando uma parede ao fundo dessa sala, a imagem é a Plural III.

Na verdade, esbarrei nessa foto hoje e me lembrei do relato que eu fiz do processo de fazer essas imagens enormes em uma única folha de papel, por exemplo.

Segue o relato de 2003: Cópias de Grande Formato com Improvisações Técnicas

As idéias
Em março de 2000, quando eu viajava para o FotoFest em Houston, Texas, encontrei numa lojinha de material fotográfico um rolo de papel velho, vencido e abandonado – 9m de Polycontrast II Rapid RC da Kodak, largura de 1m. Cinco dólares e ele era meu. Ainda sem saber o que fazer com aquilo.
Decidi ampliar oito imagens nesse papel, sem cortar o rolo, numa “operação” que levou uma noite inteira. Para revelar a imagem criei uma pequena piscina com pedaços de plástico. A imagem pb tem todos os defeitos do papel velho e mais os defeitos criados pela revelação irregular. É o máximo!
A experiência foi alucinante! Uma foto imensa que mudou o rumo do que eu considerava a minha fotografia. E a vontade de repetir tudo aquilo é presente desde então.
A repetição aconteceu em dezembro de 2000.
Apareceu um super desconto num rolo de papel colorido Ultra, para processamento RA4, com 30 metros de comprimento e 1.6m de largura! Ao mesmo tempo ganhei de um amigo um lote enorme de kits para processo direto R3, aquele para cópias em papel a partir de cromos. E isso era suficiente para começar a pensar. Juntar os dois…

As imagens
Nessa mesma época ganhei também uma bobina de um filme super estranho: LPD4 Line Film da Kodak. A sensibilidade que eu encontrei para ele era de EI 1.5 sob daylight, e a bula indica que o filme foi concebido para reprodução de plantas e desenhos gerando um positivo direto. E é verdade, revelado em processo pb normal o filme gera slides preto-e-brancos, um pouco contrastado talvez para fotografia pictorial.
Acabei por encontrar um tempo de revelação desse filme com Rodinal diluído em 1+70, que dava uns meios tons razoáveis. Comecei a fotografar bastante aqui nas estradas do Canadá, enquanto ia e vinha de trabalho. Os resultados ainda eram bastante contrastados, mas eu estava curtindo. E cada vez mais esse contraste todo me fazia crer que esses slides seriam perfeitos para ampliar em papel negativo cor e fazer o cross-processing.
Num dia, sentei e escolhi algumas imagens. Comecei a bolar como ampliá-las e como processar as imensas folhas de papel.
Resolvi separar alguns pedaços de 1.3 x 1.6m para ampliar as imagens uma a uma. Mas deixei metade do rolo intocada, caso resolvesse fazer uma grande imagem como aquela de 9 metros.
Numa noite então foi feita a operação de cortar o papel num tamanho próximo do final. Como o papel é para cópias coloridas tudo foi feito em escuro total. No escuro tudo é mais difícil, mas também é mais divertido!

As lentes
Naquela primeira foto grande, com 9 metros, cada imagem tinha em torno de 80 x 120cm. A lente 50mm foi usada no ampliador que ficou sobre uma bancada, enquanto o papel estava no chão.
Para fazer imagens de 130 x 160cm eu montei uma bancada ainda mais alta, levando o ampliador a encostar no teto. Mas ainda assim, com a lente 50mm a imagem continuava pequena.
A solução foi, ao invés de usar uma lente do ampliador, posicionar a 35mm/2 AF da Nikon apoiada sobre o lens board do ampliador, e com a menor distância focal dessa lente a imagem ficou bem maior e consegui alcançar o tamanho desejado.
As lentes usadas para fotografia podem ser usadas na ampliação de fotos bem grandes. É uma espécie de atalho para quem não dispõe de uma lente específica para ampliações grandes, a maioria das lentes de ampliador funciona melhor com ampliações até 20x, mas existem exceções.
O ideal é sempre uma lente para ampliador que seja indicada para ampliações de 40-60x. Se isso não for possível, uma boa lente fotográfica, colocada com a parte traseira virada para o filme, como na câmara fotografica, pode ser melhor escolha do que uma lente de ampliador comum. Vale a pena experimentar e descobrir o que te serve melhor.

A ampliação
Para que o papel ficasse na posição correta, no chão, espalhei pelo carpete alguns pedaços de madeira, que teoricamente ficariam no seu próprio lugar devido ao seu peso. Isso tudo serviria como uma espécie de marginador que só serve para posicionar o papel adequadamente: sob a lente, sob a prateleira.

A posição do ampliador também era importante, para que a foto mantivesse a sua característica retangular: o nível da prateleira e o do porta-negativos foram checados várias vezes enquanto eram feitos os preparativos para a ampliação.

Apagaram-se as luzes.
A exposição do papel ficou em torno dos 30 segundos apesar do tamanho enorme da foto. Os slides têm áreas bem transparentes. Não fiz teste para descobrir a exposição correta do papel, prefiri arriscar com as 4 primeiras fotos do que ter que misturar química só para o teste… preguiça.
E pela preguiça também foi cancelada da agenda toda e qualquer tentativa de corrigir ou filtrar a cor da imagem. A idéia sempre foi deixar a cor brotar por si só. E assim aconteceu. Com isso o que consegui foi manter uma certa unidade entre as fotos, já que todos os slides tinham a mesma tonalidade de cinza.

A revelação
Expus todas as 4 imagens e guardei o papel num outro ambiente escuro. Preparei o laboratório para a sessão de revelação. Posicionei as canaletas sobre a bancada, e antes de sequer abrir as garrafas da química liguei o exaustor e vesti tanto a máscara contra gases e as luvas de latéx. A máscara contra gases foi escolhida entre muitas outras disponíveis aqui nas lojas de construção: das que eu encontrei era a única recomendada para uso com amônia. Quando uma quantidade enorme de papel leva muito revelador para dentro do fixador ocorre um odor insuportável da amônia devido a contaminação, dai o cuidado na escolha da máscara.
As luvas e máscara são essenciais para a tranquilidade do fotógrafo: sem cheiro ruim, sem medo de enconstar em nada úmido, você pode ficar no escuro horas…

As minhas canaletas são de filme de polietileno incolor e transparente numa pequena estrutura de madeira. O filme é preso com as mais que conhecidas tachinhas! O tamanho de cada canaleta foi medido para ser suficiente para que eu possa desenrolar e enrolar o papel fotográfico dentro da química. Se a canaleta é muito grande ou muito comprida você acaba gastando muita química, então fiz essa no tamanho certo para essa experiência.
A química, então, que já estava em solução de estoque foi então novamente diluída para solução de trabalho com água em torno de 60 graus centígrados: eu queria um processo bem rápido. E cada banho ficou com um volume total de 4 litros.
Então no escuro total, com luvas, máscara e um óculos contra possíveis respingos de química, banhei as 4 folhas, uma por vez. O processo R-3 possui 4 banhos: primeiro revelador, interruptor, revelador de cor e branqueador-fixador.
Depois de passado um minuto dentro do revelador de cor (terceiro banho) as luzes do laboratório podem ser acesas.
Com as imagens fixadas era hora da lavagem, e como você pode imaginar não há banheira de 1.3 x 1.6m, certo? Aproveitei que o trabalho já estava no fim e lá fui eu e as cópias para o chuveiro!
Foi um banho demorado…

Pós banho
Depois que as cópias secaram estendidas sobre o carpete da casa elas foram refiladas com estilete. No claro, com toda a iluminação necessária os cortes ficaram muito melhores.

Como as altas luzes da imagem ficaram muito fracas é possível que tenha ocorrido superrevelação, ou mesmo superexposição do papel. Talvez a idéia de usar água a 60 graus centígrados não tenha a melhor de todas.
Os tons verdes e azúis das fotos são os resultados da combinação desse determinado papel com aquele determinado lote de química velha. Não há como reproduzir isso com outros materiais e essa é a graça da história.
As únicas coisas que não se pode deixar de usar, de todos os materiais que eu relacionei aqui, são as luvas, a máscara e os óculos de segurança. Isso é o mais importante. Para o resto a gente inventa um substituto.

 

Glossário:
FotoFest – Festival semelhante ao Mês da Fotografia em São Paulo, que ocorre há cada dois anos em Houston, Texas, sempre nos anos pares. É famoso pela sessão de leituras de portfolio, The Meeting Place, que dura 8 dias. São inúmeras exposições em centros culturais, pontos de ônibus, lojas abandonadas, museus de arte, etc.

Polycontrast II – papel preto-e-branco RC da Kodak de contraste variável. Nesse tamanho (rolo de 9 metros) o papel é peso duplo, para garantir maior resistência. O papel pode ser processado com química comum para papéis preto-e-branco.

Ultra – papel colorido RC da Kodak. O papel é usado para cópias a partir de negativos coloridos.
Processo RA4 – Processo para papéis coloridos para cópias a partir de negativos coloridos.

LPD4 – filme positico preto-e-branco da Kodak. Baixa sensibilidade, grão fino, alto contraste são algumas das suas características. Segundo a bula desse filme suas aplicações estão voltadas para dentro dos escritórios de engenharia, o filme se presta para reproduções diretas de plantas e desenhos.

EI 1.5 – EI significa exposure index. Esse índice de exposição é o que substitui hoje os antigos ISO e ASA.

Rodinal – Revelador para negativos preto-e-branco da Agfa. A fórmula do Rodinal doi desenvolvida entre 1870 e 1880, nunca foi patenteada e é quase secreta até hoje. Mundo afora muitos fotógrafos acreditam que a gradação de tons e o detalhamento dos contornos obtidos com Rodinal em filmes PB EI 400 são insuperáveis.

Cross-processing – quando você usa a química desenvolvida para um determinado tipo de material fotográfico com outro tipo de filme ou papel você está fazendo cross processing. O mais comum é revelador filmes positivos coloridos (normamente processados em E-6) em química para filmes negativos coloridos, o processo C-41.

Notas de 2017:

Depois desse texto surgiu o Parodinal e o lance do Rodinal se resolveu permanentemente. Cross processing hoje em dia é chamado x-pro.

Anúncios

Cezanne 2 • kernel panics e vidro rachado

 

Eu fiz a foto acima para mostrar esse vidro rachado sendo usado dentro do scanner e logo após o computador travou geral (kernel panic no OS X).

É uma longa história e eu já falei do início dela há uns anos atrás: https://refotografia.wordpress.com/tag/scitex-smart-340/

Antes de descartar boa parte desse scanner Scitex, separei algumas peças que ainda poderiam ser úteis: objetivas, parafusos, cabos e o vidro onde se apoiam os originais a serem escaneados. Esse vidro do Scitex era um enorme pedaço de vidro ótico com superfície para evitar os anéis de Newton, perfeito para escanear sem a ajuda de líquidos.

Quando comecei a instalar um segundo Cezanne no ateliê e pensei que seria muito bom se tivesse esse vidro ao invés de um vidro liso, para poder fazer escaneamentos diferentes nos dois scanners (um com wetmount e outro com o vidro AN).

Havia uma diferença de 7cm a mais no vidro para que ele coubesse no Cezanne na posição que permitiria a altura certa. Todo o meu planejamento para cortar esses 7cm de vidro que impediam que o vidro do Scitex quase foram por água abaixo em milésimos de segundos quando essa rachadura atravessou essa linda placa de vidro. Sem muito mais o que fazer, eu logo providenciei um pouco de super cola e juntei os dois lados do vidro. Pelo menos por enquanto o vidro está lá e ainda cabem pelo menos 2 negativos 4×5″ nele ou um de 5×7″, não é o ideal, mas está longe de ser um setup ruim.

Bom, mas dai na hora do primeiro teste, para checar o foco nos quatro cantos do negativo e para ver se o funcionamento não está mesmo sendo afetado, pow! rola mais um kernel panic.

Bom, o computador em que esse Cezanne está ligado andou tendo uns soluços. E kernel panics podem ser um monte de coisas: uma placa SCSI não muito compatível, um HD que pifou hoje e que poderia estar meio mal das pernas, um cabo SCSI problemático talvez? No lado de Cezanne, esse não se comporta exatamente como o primeiro: falta o estalo ao fechar a tampa e na sequência a lida rápida da mesa, as lâmpadas parecem fortes, depois parecem fracas e o software reclama. E na minha lembrança esse Digital Audio 466Mhz dava uns kernel panics há muito tempo atrás quando comprei essas memórias “novas”, será que esse problema está voltando?

No momento ainda tenho poucas pistas de qual é ou quais são os problemas, que exatamente o grande problema de mexer com equipamentos de informática completando 20 anos de idade. Mas tem um link bem bacana sobre os kps.

Update: remover o kext 78xx da Adaptec resolveu quase todos os problemas, só não desrachou o vidro, então se vocie googlou osx 10.3.9 adaptec 2906 scanner, essa é a solução. http://ask.microsemi.com/app/answers/detail/a_id/3887/~/does-macintosh-os-x-have-built-in-drivers-for-adaptec-scsi-cards%3F

Sobre fotografia • histórias de Fátima Roque

A Fátima era chegada no barquinho que todo ano parte de Belém para explorar o Pará levando diversos tipos de pesquisadores, cientistas e artistas. Ela compartilhou comigo algumas pequenas histórias dessas viagens que me fazem pensar para que serve a fotografia e o que serve para fazer fotografia. 

Em Cametá ela encontrou um fotógrafo local especializado em retratos. Lima mostrou para ela como fazia as fotos e onde revelava esses filmes e fotos coloridos. Seu equipamento era apenas uma Olympus Pen de meio quadro, seu laboratório consistia em alguns pedaços de cano que funcionavam como tanques verticais dentro de uma caixa. O processamento em C-41 se dava a temperatura ambiente (de Cametá). A cada cliente o Lima cortava o pedaço exposto do filme colorido numa caixa escura e já revelava a ponta direto nos tanques. Dali para um ampliadorzinho e a cópia era revelada nos mesmo tanques. E o negativo acabava arremessado sobre a laje do laboratório para mofar e apodrecer.

Numa outra parada ela ofereceria uma oficina de cianótipo e marron van dyke, terminada a oficina os pedaços de tecido com cianótipos ainda estavam molhados, ela pediu ao alunos que voltassem de tarde para buscar as fotos. Eles voltaram e encontraram ela onde os pesquisadores se reuniam. De lá começaram a caminhar até o barco para buscar as imagens em tecido secas. No meio do caminho tinha uma loja com colchas e redes, ela pediu para os alunos escolherem uma colcha e ainda comprou uma caixa de alfinetes. Chegando ao barco pediu que a colcha fosse pendurada no convés e cada aluno pendurou sua imagem na colcha com os alfinetes. Então ela pediu que cada um buscasse seus amigos, sua família e que eles voltassem ao pôr-do-Sol para a abertura da primeira exposição deles. Apareceu todo mundo de banho tomado. O Sol ainda iluminava a colcha amarela, aos poucos cada um que ia embora foi retirando suas imagens e a colcha voltou a ficar vazia. E o Sol se pôs.

Testes com a Yashica A

Talvez a Yashica A seja a maneira mais prática e em conta de se obter um triplet de grande abertura (80mm f/3.5 Yashimar) para uma câmera de formato pequeno (6x6cm) e que ofereça o tal do swirly bokeh (nenhuma da imagens desse post dão conta de demonstrar esse bokeh super bem, a terceira imagem apenas parcialmente, mas é viável e bonito).

Com os preços que as Trioplan estão agora e tudo mais que tenha apenas 3 elementos, não consigo imaginar outra câmera e lente que ainda esteja tão barato e que ofereça esse tipo de desfoque tão desejado recentemente.

Me dei conta disso outro dia num post de uma outra pessoa num grupo no Facebook. A imagem tinha os círculos no fundo e eu imediatamente lembrei que tinha uma A lá no Celso, carente de uma limpeza e de um carinho. Dei o trato, limpei o melhor que pude e ainda dei uma garibada no couro do case.

Para o teste usei um rolo de um NPL e um rolo de Superia 100. O NPL ficou esquisito como tinha que ser e o Superia lidou bem com a super exposição massiva que recebeu. A Yashica A tem apenas 4 velocidades diferentes (25, 50, 100 e 300) e para aproveitar o que a lente oferece de melhor só usando ela em f/3.5.

Usar 1/300 e f/3.5 num dia de Sol é luz demais para um ISO 100, mas é o que temos então melhor optar por negativo cor e torcer para dar certo.

Setembro • Várias Oficinas!

Esse mês tem Dominando Seu Scanner no dia 12/09 e Caixa de Luz UV no dia 17/09 no Ateliê. A da Caixa de Luz UV é com a Beth Lee e com o Washington Sueto.

Depois tem Sobrevivendo com Filmes Vencidos no dia 30/09 no Clube!

Olympus XA • para o andarilho

Tenho curtido muito as caminhadas até o centro da cidade. Nos dias em que vou para a oficina do Celso eu tenho optado por ir à pé do Itaim Bibi à Rua São Bento no centro da cidade. Dá em torno de 1h20 de caminhada relativamente plana com direito a cruzar o túnel da Av 9 de Julho sob a Av Paulista.

Uma câmera compacta como a Olympus XA é muito útil, boa parte do tempo ela cabe na palma da mão e ali fica escondida.

Eu deixo a câmera em f/2.8 a maior parte do tempo, só cuido para não deixar a velocidade subir muito, porque como não passa de 1/500, a câmera pode acabar superexpondo o filme. E não tem apito, nem bandeira vermelha, a câmera não te faz perder a foto.

E alguns momentos usei a chave do contraluz, a chave que faz a câmera superexpor 1,5 pontos a partir do fotômetro interno, mas em geral fiquei com a fotometria automática e não acho que perdi muita coisa.

Usei diversos tipos de filme: Agfa APX100, Ilford FP4, Ilford Pan F; procurei ficar nos ISO mais baixos e manter a lente mais aberta (de modo que em algumas imagens, como acima, dá para perceber as laterais mais suaves da lente toda aberta).

Inclusive, a objetiva da XA é interessante, uma 35mm desenhada como teleobjetiva para precisar menos espaço entre objetiva e filme e assim a câmera poder ser ainda mais compacta. Segue aqui um link para a história desse design.

Testes com a Canon Pellix

Há uns meses eu fiz alguns testes com uma Canon Pellix e uma objetiva FL 58mm f/1.2. A Pellix é uma câmera da Canon que tem o espelho fixo, na verdade um semi-espelho. Para entender melhor segue o link da Wikipedia.

Usei um filme Fomapan 400, exposto a 400 mesmo, revelado em Parodinal 1+50. Deveria chamar Fomapan 200, mas enfim os filmes são o que são.

Depois do filme revelado escaneei o resultado num scanner Pakon e são essas imagens que temos aqui.

Com a objetiva ligeiramente fechada a imagem começa a mudar, os detalhes passam a aparecer mais no canto.

E por fim uma imagem em f/11 para ver como a objetiva se comporta.